"No dia em que a flor de lótus desabrochou
A minha mente vagava, e eu não a percebi.
Minha cesta estava vazia e a flor ficou esquecida.
Somente agora e novamente, uma tristeza caiu sobre mim.
Acordei do meu sonho sentindo o doce rastro
De um perfume no vento sul.
Essa vaga doçura fez o meu coração doer de saudade.
Pareceu-me ser o sopro ardente no verão, procurando completar-se.
Eu não sabia então que a flor estava tão perto de mim
Que ela era minha, e que essa perfeita doçura
Tinha desabrochado no fundo do meu coração. "

Rabindranath Tagore








sábado, 4 de maio de 2013





E eu queria poder explicar tudo o que sinto, o que sei e o que quero.
Queria poder explicar como consigo te sentir ao esticar minhas mãos...
ou como acontece quando olho no fundo dos seus olhos e posso me ver...
Quando minha pele sente o arrepio no momento que suas mãos deslizam o meu corpo.

Sinto seu cheiro, seu suspirar, sua força.
Te sinto perto, te sinto em mim.

Eu quero, mas não posso explicar. 
O que sei é que pertencemos um ao outro. 
Não somos dois, nos tornamos um.


Flor



Um comentário:

Sayuri Okamoto disse...

perfeito poema ♥

voltei pra ficar no meu espaço, tinha dado um tempo nele