"No dia em que a flor de lótus desabrochou
A minha mente vagava, e eu não a percebi.
Minha cesta estava vazia e a flor ficou esquecida.
Somente agora e novamente, uma tristeza caiu sobre mim.
Acordei do meu sonho sentindo o doce rastro
De um perfume no vento sul.
Essa vaga doçura fez o meu coração doer de saudade.
Pareceu-me ser o sopro ardente no verão, procurando completar-se.
Eu não sabia então que a flor estava tão perto de mim
Que ela era minha, e que essa perfeita doçura
Tinha desabrochado no fundo do meu coração. "

Rabindranath Tagore








segunda-feira, 1 de abril de 2013








"Não importa como você olha, a vida é estranha. Muito estranha. Por exemplo: é um fato inquestionável que somos todos feitos exatamente da mesma substância das formas de vida mais inteligentes, criativas e magníficas do Universo. Isso inclui batatas, lesmas e suflê de chuchu, o que talvez explique por que tantas coisas na vida não fazem sentido. Para começar, por que nos impressionamos e ficamos tão obcecados com coisas e feitos de grandes dimensões, quando na verdade são coisas pequeninhas que, combinadas, tornam as grandes coisas possíveis? Por que tentamos criar nossos próprios mundinhos para ter a ilusão de que controlamos completamente nossa existência, quando sabemos muito bem que não controlamos? Por que afirmamos a toda hora que a individualidade é a essência da nossa maneira de ser, e depois aceitamos um grau degradante de conformismo em quase todos os aspectos das nossas vidas? Por que as crianças acreditam em fadas e “gente grande” não? E por que nos grilamos tanto com as nossas discordâncias, quando de fato são as nossas diferenças que tornam a vida interessante? Afinal, se metade do mundo está sempre de cabeça para baixo, seria impossível todos concordarem sobre tudo. Mesmo algo tão básico e profundo como “não mastigue com a boca aberta” é uma regra menos universal do que você poderia imaginar.

Por que será que quando as paixões se inflamam a gente opta por discutir e brigar, se quando dançar um ‘chá-chá-chá’ é muito menos estressante, muito mais agradável e alivia a tensão do mesmo jeito? Por que gostamos de sentir que somos membros de uma espécie, e ao mesmo tempo construímos tantas barreiras defensivas em torno dos nossos sentimentos que nunca conseguimos ser realmente próximos de alguém? Talvez a confusão exista porque a vida nem sempre é o que parece. Como espécie, somos obcecados pela aparência. Usamos filtros para só ver o que queremos ver. Quando finalmente abrimos os olhos, podemos nos chocar com o modo obscuro com que olhávamos o mundo de acordo com nossos planos mesquinhos. Sem os filtros, você pode olhar com mais clareza para você mesmo e fazer perguntas objetivas sobre o universo e o seu lugar nele. Em outras palavras, investigar o sentido da vida. Afinal, do que se trata a vida? Bem, já se ouviu muito que a vida é uma viagem. Mas uma viagem para onde, exatamente?

Há quem diga que o sentido da vida é adquirir sabedoria. Se isso é verdade, por que os sábios costumam se vestir tão mal? Outros dizem que a vida não tem sentido. Que a vida apenas “é”. Coisa profunda. E há os que digam que só estamos no mundo para ter uma família. Afinal, a necessidade de deixar descendentes em seu lugar está no mapa genético de todo o ser vivo. No entanto, isto significa que toda a nossa existência é determinada pelo impulso sexual. Tudo bem, um fim de semana prolongado pode ser, mas toda a nossa existência? Sei não. Aliás, chegue um pouco mais perto, tenho um segredo para lhe contar… TODA ESTA CONVERSA É COMPLETAMENTE IMBECIL!

O único tema que ressoa em todas as muitas teorias populares sobre a vida é o amor. O amor, em todas as suas frágeis formas, é a força poderosa e duradoura que dá sentido real a todos as vidas. Claro que não estou falando do amor romântico, tipo “beijinho-beijinho”, embora este também seja uma força poderosa. É sabido que um coração partido dói muito mais do que suco de limão num corte no dedo feito com papel. Mas o amor a que me refiro é o fogo que queima dentro de cada um, o calor interno que impede a nossa alma de congelar nos invernos de desesperança. E o amor à vida em si. É a voz que diz: “Celebre a vida, seja criativo!” E traz a paixão e a compreensão de que, se há coisas pelas quais vale a pena morrer, há muito mais coisas pelas quais viver. É o que nos encoraja a receber cada novo momento como se recebe um velho amigo no aeroporto, a abraçar cada nova oportunidade de expressar a nossa felicidade por estar vivo. Este amor à vida nos leva a ajudar os outros simplesmente porque nos sentimos bem fazendo isto. Todos sabemos como é maravilhoso se sentir confiável e dar apoio a familiares e amigos (claro, dentro de certos limites). Mas, por mais que soe verdadeiro falar que “estamos aqui para viver a vida que amamos”, isto ainda traz um monte de perguntas pegajosas.

Especificamente: por que, exatamente, você está aqui? O que você ama de verdade?
Quem não se faz essas perguntas invariavelmente passa a vida sem saber por que ela não é muito mais divertida. Muitas vezes se sente como se tivesse sido deixado para trás, ou não sabe como explicar, mas sente que alguma coisa simplesmente não cheira bem. A verdade é que frequentemente nos concentramos tanto no que estamos fazendo que não vemos para onde estamos indo. Mas o que estamos fazendo, afinal? O mundo moderno está cheio de distrações, metas e prioridades discutíveis. O dia e a noite se confundem. Somos impelidos por uma avalanche de medos e desejos para uma corrida que não podemos vencer. E corremos, corremos, corremos para chegar a um ponto ideal nas nossas vidas e… E o que? É como ir ao supermercado, sair do carro e esquecer o que você tinha ido comprar. Tantas vezes começamos sonhando com uma vida maravilhosa, selvagem e livre que geralmente é muito distante da que acabamos levando. E o triste é que quase sempre descobrimos isso tarde demais, quando é impossível recomeçar. E, acredite, existem algumas sensações terríveis neste mundo. Como a culpa por ter passado o dia inteiro sem fazer nada, ou o arrependimento por não ter ajudado um amigo num momento difícil, e vergonha do tipo “não acredito que eu fiz aquilo no nosso primeiro encontro!”. Mas, de todas as sensações que deixam você doente, nenhuma é pior do que saber que teve a oportunidade de fazer o que ama de verdade e não aproveitou. […] 




Bradley Trevor Greive





4 comentários:

Will disse...

Importante reflexão, nos lembrando entre, outras coisas, de abraçar as oportunidades.

Ótima semana para você, Kelly!

Kelly disse...

Obrigada Will.

Excelente semana, ótimo mês.

Regina disse...

Bom dia, Kelly

Lindo texto, sempre é bom nos questionarmos dos porquês e serás que a vida nos coloca no caminho e termos uma visão além do que estamos vivendo no momento ou no presente. Adoro estar por aqui, seu blog e textos são sempre ótimos e no mínimo prazerosos de se ler. Parabéns por este espaço e tudo que ele engloba. Beijos, uma semana próspera e abençoada para vc. Muita luz e paz, SEMPRE. Sucesso e prosperidade em tudo!

Kelly disse...

Regina,

BOm te ter aqui. E sim, sempre bom questionarmos sobre a vida e sobre tudo que está ao seu redor.

Beijos de luz pra ti.
Meu carinho.