"No dia em que a flor de lótus desabrochou
A minha mente vagava, e eu não a percebi.
Minha cesta estava vazia e a flor ficou esquecida.
Somente agora e novamente, uma tristeza caiu sobre mim.
Acordei do meu sonho sentindo o doce rastro
De um perfume no vento sul.
Essa vaga doçura fez o meu coração doer de saudade.
Pareceu-me ser o sopro ardente no verão, procurando completar-se.
Eu não sabia então que a flor estava tão perto de mim
Que ela era minha, e que essa perfeita doçura
Tinha desabrochado no fundo do meu coração. "

Rabindranath Tagore








domingo, 11 de novembro de 2012






"Tenho pena de não ter percorrido o teu corpo como percorro os mapas (...)
 Tenho pena de nunca ter murmurado teu nome no escuro. 
Acordado perto de ti as noites teriam sido de ouro e as mãos teriam guardado o sabor do teu corpo."


Al Berto



2 comentários:

Sayuri Okamoto disse...

a saudade de um corpo, de uma alma que guarda o cheiro, as marcas, as verdades de uma noite, não passam somente nas mentes, nem numa noite, elas perduram por toda uma vida de vivência mágica...

Kelly disse...

Sayuri,

Há coisas que são mágicas e que não merecem ser esquecidas.

Beijo grande linda!!