"No dia em que a flor de lótus desabrochou
A minha mente vagava, e eu não a percebi.
Minha cesta estava vazia e a flor ficou esquecida.
Somente agora e novamente, uma tristeza caiu sobre mim.
Acordei do meu sonho sentindo o doce rastro
De um perfume no vento sul.
Essa vaga doçura fez o meu coração doer de saudade.
Pareceu-me ser o sopro ardente no verão, procurando completar-se.
Eu não sabia então que a flor estava tão perto de mim
Que ela era minha, e que essa perfeita doçura
Tinha desabrochado no fundo do meu coração. "

Rabindranath Tagore








segunda-feira, 2 de julho de 2012







"Não há quem não feche os olhos ao cantar a música favorita. Não há quem não feche os olhos ao beijar, não há quem não feche os olhos ao abraçar. Fechamos os olhos para garantir a memória da memória. É ali que a vida entra e perdura, naquela escuridão mínima, no avesso das pálpebras.Concentramo-nos para segurar a dispersão, para segurar a barca ao calor do remo. O rosto é uma estrutura perfeita do silêncio. Os cílios se mexem como pedais da memória. Experimenta-se uma vez mais aquilo que não era possível. Viver é boiar, recordar é nadar."




Fabrício Carpinejar




2 comentários:

Leila dos Reis disse...

Kely,
já sou tua seguidora por dois blos meus, também te espero nos meus, venha pra cá dois blogs meus neste meu perfil aqui.
AMIGOS QUE FICMA
AMIGOS VIRTUAIS,
Além dos mais que eu tenho, rsrs.
Sou uma blogueira, gosto de seguir, ser seguida também, afinal de contas isso aqui é uma parceria, uma troca.
Cheiros
Eu! Leilinha

Ivanildo disse...

O fechar de olhos, demonstra o sentimento do momento!

Belo blog e bela poesia.

Ivanildo Assis.