"No dia em que a flor de lótus desabrochou
A minha mente vagava, e eu não a percebi.
Minha cesta estava vazia e a flor ficou esquecida.
Somente agora e novamente, uma tristeza caiu sobre mim.
Acordei do meu sonho sentindo o doce rastro
De um perfume no vento sul.
Essa vaga doçura fez o meu coração doer de saudade.
Pareceu-me ser o sopro ardente no verão, procurando completar-se.
Eu não sabia então que a flor estava tão perto de mim
Que ela era minha, e que essa perfeita doçura
Tinha desabrochado no fundo do meu coração. "

Rabindranath Tagore








quinta-feira, 31 de maio de 2012






‎"Que eu possa respeitar opiniões diferentes da minha. Que eu possa me desculpar antes do ódio. 
Que eu possa escrever cartas de amor de repente. Que eu possa viajar para adorar a distância.
 Que eu possa voltar para dizer o que não tive coragem. 
Que eu pense em meu amor ao atravessar a rua. Que eu pense na rua ao atravessar o amor. 
Que eu dê conselhos sem condenar. Que eu possa tomar banho de cachoeira. 
Que eu seja a vontade de rir. Que eu possa chorar ao assistir filmes.
 Que eu não seduza para confundir. Que eu seduza para iluminar.
 Que eu não sacrifique a confiança pela covardia. 
Que eu tenha dúvidas, melhor do que certezas e falir com elas.
 Que eu faça amizades falando do tempo. Que eu possa amar mais sem contar as horas.
 Que eu use somente as palavras que tenham sentido. 
Que eu prove a comida nas panelas. 
Que transforme a raiva em vontade de me entender.
 Que eu possa soltar os vaga-lumes que prendi em potes. 
Que eu me lembre de ser feliz "



Fabrício Carpinejar




3 comentários:

Delano disse...

Que texto maravilho Flor, O Fabrício é demais né, Adoro!!!

Levando pra casa Menina...rsrsrsr Beijosss!

Argonauta021 disse...

Sim!!!! que seja sempre assim! Abração!!

Delano disse...

Pois é Flor, o nome do meu blog surgiu daquele texto da Marla, Ela é demais em tudo que escreve né....Beijoss querida!