"No dia em que a flor de lótus desabrochou
A minha mente vagava, e eu não a percebi.
Minha cesta estava vazia e a flor ficou esquecida.
Somente agora e novamente, uma tristeza caiu sobre mim.
Acordei do meu sonho sentindo o doce rastro
De um perfume no vento sul.
Essa vaga doçura fez o meu coração doer de saudade.
Pareceu-me ser o sopro ardente no verão, procurando completar-se.
Eu não sabia então que a flor estava tão perto de mim
Que ela era minha, e que essa perfeita doçura
Tinha desabrochado no fundo do meu coração. "

Rabindranath Tagore








quinta-feira, 24 de maio de 2012

Nosso Medo Mais Profundo




"Nosso medo mais profundo não é o de não sermos bons o suficiente. O nosso medo 
mais profundo é o de sermos poderosos além das medidas. É a nossa luz, e não a nossa 
escuridão, o que mais tememos. Por isso nos perguntamos: Quem somos para nos 
considerarmos brilhantes, maravilhosos, talentosos, fabulosos? 
Nós somos crianças de Deus. A nossa falsa humildade não vai servir o mundo. 
Não há nada de iluminado nesse encolher-se para que outros não se sintam inseguros à nossa volta. 
Estamos todos aqui para irradiar, como fazem as crianças e, à medida que deixamos a nossa luz brilhar, 
inconscientemente damos aos outros permissão para que brilhem também.
 À medida que nos libertamos do nosso próprio medo, a nossa presença, 
automaticamente, liberta os outros para que façam o mesmo.
A segurança só para alguns é, de facto, a insegurança para todos."


Marianne Williamson, em 1992 no livro  "A Return to Love”


2 comentários:

Delano disse...

Toda sorte de benção menina flor!

Aquele abraço!

Delano disse...

ADEEEEEEUSSS!! VASCO!!!!
ADEEEEEEUSSS!! VASCO!!!!........KKKKKKKKK