"No dia em que a flor de lótus desabrochou
A minha mente vagava, e eu não a percebi.
Minha cesta estava vazia e a flor ficou esquecida.
Somente agora e novamente, uma tristeza caiu sobre mim.
Acordei do meu sonho sentindo o doce rastro
De um perfume no vento sul.
Essa vaga doçura fez o meu coração doer de saudade.
Pareceu-me ser o sopro ardente no verão, procurando completar-se.
Eu não sabia então que a flor estava tão perto de mim
Que ela era minha, e que essa perfeita doçura
Tinha desabrochado no fundo do meu coração. "

Rabindranath Tagore








quinta-feira, 3 de novembro de 2011


Mas sou atrevida por natureza e adepta da frase de Nietzsche:
 "Odeio quem me rouba a solidão sem em troca me oferecer verdadeiramente companhia". 

Ai, Nietzsche você sempre soube! É isso mesmo. Eu odeio e assino embaixo. E odeio com todas as forças, com todas as letras, em CAPSLOCK, de trás para frente, em inglês ou latim. EU ODEIO. Sou uma ótima companhia para mim mesmo, 
adoro ficar sozinha, lendo, escrevendo ou fazendo o meu nada. 
Prefiro me afundar em mim a ter que ouvir gente falando merda ou contando vantagem.

2 comentários:

Delano Alexandria disse...

Relaxa querida, Isso era só pra ver se as pessoas estão vivas realmente...rsrsrs

Seus textos são maravilhosos......Beijoss!

Kelly disse...

Agradeço por dizer que meus textos são maravilhosos, é uma pena eles te deixarem tão confusos!